×
Siga nós
8 jul

III Diálogos Inter-Raciais abordou os desafios e as perspectivas para estudantes negros na pós-graduação em Direito

A Comissão de Promoção da Igualdade Racial da OAB-CE vem realizando uma série de eventos para discutir temáticas importantes para a pauta. No último dia 2/7, aconteceu o III Diálogos Inter-Raciais, com o tema Desafios e perspectivas para estudantes negros na pós-graduação em Direito, trazendo discussões sobre a presença de pessoas negras nesses espaços. O evento online foi transmitido pela plataforma de cursos da ESA Ceará, parceira na realização da programação.

Voltada para estudantes, profissionais do direito e de instituições de ensino, a programação reúne especialistas de variadas áreas. Nesta edição participaram os advogados Jéssica Rodrigues, Fernanda Estanislau e Thanderson Sousa, além do presidente do Instituto Cigano do Brasil-ICB, Rogério Ribeiro. O evento foi mediado pela advogada e membro da Comissão da Promoção da Igualdade Racial da OAB-CE, Nathália Santiago de Pinho.

A partir da temática geral, as falas apresentadas no evento reforçam a importância da presença de pessoas negras nos mais diversos espaços, essencialmente nos ambientes de ensino. “A gente precisa entender de fato como o racismo funciona por uma tecnologia de sobrevivência. Se a gente não entende a gente sucumbe a essa lógica, a gente aceita o lugar social que é demarcado pra gente. Então a compreensão disso é inerente a nossa vida para que a gente sobreviva com dignidade. Esse é o nosso super trunfo e é por isso que a nossa presença nesses lugares é essencial, é imprescindível para que a gente fale em uma transformação social”, explica Fernanda Estanislau.

Jéssica Rodrigues reforça a necessidade de inserir cada vez mais pessoas negras nos cursos de pós-graduação, com uma percepção de que o ambiente acadêmico muitas vezes ainda gera a sensação de não-pertencimento. “Ainda hoje a gente precisa mostrar dados, demonstrar a importância de ocuparmos esses espaços, que são estrategicamente pensados, paramentados, para excluir a gente. Quanto mais a gente vai galgando espaços mais altos, mais a gente vê o embranquecimento, sente que não está pertencendo àquele lugar”, reflete Jéssica.

Nas duas primeiras edições do Diálogos Inter-Raciais foram discutidos, respectivamente, “racismo, identidade e formação profissional,” e “docência negra no ensino jurídico no Ceará”. Com esses espaços de diálogo, a Comissão busca contribuir com o desenvolvimento de debates e ações que promovam a igualdade racial por meio da ação conjunta com outras áreas de estudo, além do Direito. 

× Como posso te ajudar?