Autor: 
Cinthia Greyne

Se houvéssemos de falar em uma moeda universal, atemporal, cujo valor nunca se perde ou diminui, poderia ser o tempo. E porque o ângulo pelo qual se enxerga as situações é fator determinante para a posição que assumimos diante delas, o tempo surge, para alguns, como uma poderosa arma de ganho, já, para outros, como causa de perdimento.

 

Sobretudo para um jovem advogado, que vivencia as primeiras fases de formação da personalidade profissional, a boa ou má utilização do tempo pode tanto representar um verdadeiro diferencial ou uma tormentosa dificuldade impossível de ser dominada, tudo a depender da habilidade do artesão que o maneja.

 

Pois bem, seria, no mínimo, pouco digno de credibilidade falar abstratamente de como tornar o seu relógio uma das suas ferramentas mais lucrativas (lucro no mercado e, especialmente, em qualidade de vida), se quem estivesse deste lado de cá não fosse também uma jovem advogada, sujeita aos mesmíssimos percalços diários que você, e vem, não sem esforço, descobrindo esta fórmula mágica. Fórmula mágica? Não mesmo. Eis o segredo: Gestão.

 

Mas se o senhor ainda é daquele tipo que acha tudo nada mais que bobagem, estou aqui para servir de prova contrária. Uma boa gestão de tempo é capaz de lhe render mais clientes, mais tarefas concluídas, mais espaço para novas contratações, mais potencial de lucro. É o que, incrivelmente, tenho visto.

 

Então, tente começar assim:

 

1. Seja você o condutor, não um escravo do tempo. A primeira e mais fundamental consideração que deve ser assumida logo de início, e não só no trabalho, na própria vida, é a de que você deve ser o condutor do seu tempo e não tornar-se escravo dele. Obviamente, na correria do dia-a-dia, muitos “incêndios” surgem e desfazem o planejamento, o que mais reforça a necessidade de reorganização constante dos horários. Se não podemos ser seu dono, dentro das muitas imprevisibilidades da vida, conduza a si mesmo nesta dinâmica.

 

2. O planejamento do dia seguinte e as metas de curto prazo. Nada de caminhar sem rumo! A principal característica para assumir uma posição de “controle” do tempo é exatamente planejando-se, projetando tarefas e metas delineadas. Nisto, é possível escolher entre duas posturas que alteram significativamente o resultado ao final do dia, uma que lhe torna um mero executor de afazeres, outra que o faz um estrategista nato. Neste último caso, o da eficiência, está aquele advogado que confere com antecedência sua agenda, programa as atividades da semana posterior (no plano ideal), e, sempre, as do dia seguinte, reacomoda as prioridades de acordo com a rotina diária, fixa metas de curto prazo, está sempre um passo a frente. 

3. Estabelecendo as prioridades. Não se engane, caro amigo leitor (permita-me chamá-lo assim), se a sua pretensão é crescer o quão mais na carreira, a tendência é logo se deparar com um estado de urgência constante. Estabelecer prioridades, evidentemente, não quer dizer preterir clientes, em desprivilégio, mas traçar um plano de resolução de casos que beneficiará a todos: A você, a bem de sua saúde e porque não da sanidade, e aos seus clientes, na medida em que estes contarão com um profissional absolutamente concentrado no assunto de seu interesse. Há vezes, é verdade, que mais de uma coisa não podem esperar até amanhã, e aí o jeito é virar a noite. Afinal, na confiança, não se deixa um parceiro na mão.

 

4. A eficiência das tarefas em bloco. Depois que comecei a separar tarefas similares em pequenos blocos, minha idéia de tempo deu um salto. Ligações, petições simples, eventuais relatórios, até mesmo agendamento de reuniões em subsequência. Além de resolvê-los com maior praticidade e rapidez, o seu raciocínio não ficará estancando de vez em vez, permitindo máxima concentração em cada coisa.

 

5. Um time para o café. Aquela velha tática de parar alguns minutos o estudo denso para aliviar a mente tem o mesmo bom efeito na rotina de trabalho, já que o advogado lida com o todo de sua capacidade intelectual e a da formular estratégias. Ainda ontem, tratando de um caso dos mais complexos que já tive de resolver, travei, a mente esgotou. Nada que uns minutos de respiração e descanso não pudessem resolver.

 

6. Rendendo com as mídias sociais. Para uns, indispensáveis, para outros, o caos. Há um meio termo. As mídias sociais, como haveremos de falar em breve, podem ter um efeito grandioso para a carreira profissional do jovem advogado, ainda não conhecido no mercado. Logo, saiba usar delas para promover seus trabalhos, firmar network, sem prejuízo, naturalmente, de contatar seus amigos e aliviar a pressão, mas sempre escolhendo os momentos ideais para isso, seja no time do café, no intervalo para o almoço, enfim, de modo a não torná-lo dependente do uso e, pior ainda, de superficialidades.

 

7. Recarregando as baterias. Durma, alimente-se. Existe um limite para o seu corpo e ele dá claros sinais disso. Descansar é um ato tão inteligente quanto o de resolver problemas jurídicos, muito porque sua capacidade analítica, seu raciocínio e até mesmo a sua memória exigem, não simplesmente pedem, alívio. Não esqueça que você tem pela frente prazerosas décadas de trabalho e incontáveis conquistas a serem desbravadas, e para isso um coração saudável será de grande valia.

 

Portanto, ouse! Se a busca é por resultados além da média, aja além da média. Comece o seu amanhã ainda hoje, num passo de cada vez, mas sem parar. Gerir seu tempo lhe permitirá alcançar vultosos resultados, entre os quais o maior deles: A alegria de viver.

 

Cinthia Greyne[1]

 

[1] Advogada Empresarial no Escritório Paulo Quezado Advocacia; LL.M em Direito Empresarial pela Faculdade Getúlio Vargas - FGV do Rio de Janeiro; Pós-graduanda em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários - IBET. Colunista da Revista Jurídica "Direito Ce"; Conselheira Titular do Conselho Consultivo Jovem da OAB/CE.